sábado, 2 de julho de 2011

TFP*

       Ariovaldo está de volta. Ele não se aguentou por muito tempo sem nos dar o seu recado. Ontem, na seção de cartas, a Zero Hora publicou seu comentário "Democracia frágil" (sob o pseudônimo de Carlos Eduardo Rosa Martins). Escreveu: "Será mesmo que vivemos uma democracia? Onde foram parar os pilares básicos que sustentam tal regime? A família degrada-se ante uma sociedade decadente e sem moral; o  Estado é corroído por ideias antagônicas às necessidades de seu povo; e a religião é explorada por inescrupulosos que se locupletam da ignorância de seus fiéis."
       Ah, o homem transborda TFP pelos poros. É, TFP. Sabem, a Tradição, Família e Propriedade. Aquela "organização" composta por carolões-fascistas, que na época da ditadura andava por aí, recrutando uma gurizada para o lado deles.
       Eu tinha uns dez anos e ainda morava alí na Padre Felício, quase na esquina da Deodoro. Foi nessa época que vi quando, pelas calçadas dos dois lados da rua, se aproximaram uns sujeitos vestidos com ternos e capas pretas, carregando enormes estandartes vermelhos com adornos dourados. Eram acompanhados por uma camionete (seria uma Kombi ou uma Veraneio?), que, pelos autofalantes instalados na capota, amplificava hinos (ou marchas, sei-lá). Bah, que medo! Aquelas figuras, de trajes escuros e cabelos "escovinha", encarnavam, com todo mise-en-scène, o assustador caçador de crianças do filme "O Calhambeque Mágico" - que muito frequentou meus pesadelos na infância (quem viu o filme nos idos de 70 e  hoje é mais ou menos cinquentão sabe bem do que eu estou falando!).
       Embora possa me considerar feliz porque minha filha não corre o risco de, amanhã, bater-se de cara com esses tipos na rua, evidentemente que há Ariovaldos que pensam bem diferente, rezando pela volta da gente-que-assusta-crianças.
       Em meados dos anos oitenta - nos estertores da ditadura e da própria TFP - o grupo paulista Língua de Trapo lançou o ótimo disco Como É  Bom Ser Punk, cuja faixa 5 é "Samba Enredo da TFP". A título de exorcismo, merece agora ser ouvido (na única versão que consegui no YouTube, improvisada por um pessoal que não conheço). De brinde, a letra original (na medida que tanto na contracapa do disco como na gravação constou "Samba Enredo da TRP", e não TFP, bem como o nome de Plínio Correia de Oliveira teve de substituído por "Plínius Zorrelha Zorrilheira"). Para se recordar como a censura era "inteligente"!

SAMBA ENREDO DA TFP
(Carlos Melo / Laert Sarrumor)

TFP pede passagem, pra mostrar sua bateria
E seu passado de coragem, defendendo a Monarquia
Salve Plínio Correia de Oliveira, precursor da linha-dura
Grande baluarte da ditadura
Legislador da Inquisição, implacável justiceiro
Homem de grande erudição, lia Mein Kampf no banheiro
No tribunal de Nuremberg, defendeu o Mussolini
Sob os auspícios do Lindenberg
E hoje ele se preocupa com a infiltração comunista
No clero progressista
(E o Lefèbvre?)
Lefèbvre, fiel companheiro, incomparável amigo,
Irrepreensível mentor
Exerce completo fascínio
e vai incutindo no Plínio
o gênio conservador
Digno de um poema do Ezra Pound
quer que o Brasil se transforme
num imenso playground
No Carnaval, a escola comemora
nascimento de Nossa Senhora
E a defesa da tradição
cantando esse refrão:
Anauê, Anauê, Anauá, TFP acabou de chegar!
E hoje sou fascista na avenida
minha escola é a mais querida
Dos reaça nacional
Plim, plim, plim, plim, plim, plim, plim, plim, plim,
Era assim que a vovó seu Plínio chamava…

video

*Turma de Filhas da Puta!

Um comentário:

  1. Grata surpresa encontrar este blog. Melhor ainda encontrar um post homenageando à TFP.
    Há algum tempo atrás, minha mãe recebeu uma correspondência de um tal João Sérgio Guimarães, pedindo auxílio para os necessitados, em nome de Nossa Senhora. Cheguei a enviar um e-mail para o dito cujo, perguntando de onde tinha tirado o nome e o endereço. Até hoje não recebi resposta.
    Se tiver paciência e interesse, cheguei a postar isso no meu blog também. Segue o endereço:
    http://outro-otario.blogspot.com/2009/08/tfp-e-o-ir-pqp.html
    Saudações da Baixada!

    ResponderExcluir